segunda-feira, agosto 30, 2010

vou lá

sigo o sino badalado
que só fala quando calo
na minha sina abafada
teus lençóis de furta-cor
de dedilhar meu quase ato
desaprovam meu pavor
quer meu sangue
provação
não sou santo
tampouco monge
mas tenho forte
o coração
que me leva distante
não tão longe
da pra ver
a sua mão
sombreada de sabor
sonho grande
sonho amor

Um comentário:

Isabela Bimbatto disse...

Gostei muito. Principalmente do final duplo. "sonho grande
sonho amor"
(: